espera, baby

setembro 5, 2009

qualquer espécie de espera é uma tortura.

telefonema, presente, notícia – tudo isso faz o cérebro torcer.

tentei lavar louça, tentei cozinhar, ver tv – não tinha como ligar, 4 e qualquer coisa da manhã você não liga pros seus amigos pra falar das besteiras que te atormentam.

besteira.

você dorme porque o dia seguinte vai ser melhor.

sei.

o dia seguinte.

e no final das contas você tem que sempre ser uma mulher dos anos 50.

sobre pão em coma.

julho 4, 2009

cheguei em casa

toda descabelada

depois de um show da silvia machete. MORTO de fome.

fui procurar algo para comer. não achei.

então, ao telefone com uma outra amiga meio dona de casa desesperada de quase trinta (porra nenhuma),

ela me pergunta:

– mas não tem nem um pedaço de comida?

– bem, tem pão… – e aí eu pensei na cronologia do pão e respondi: tem pão antigo.

rimos muito da minha desgraça e até falamos sobre pão em coma ao invés de pão dormido.

mas o fato, senhoras e senhores, é que vou dormir com fome e medo do meu líquido estomacal digerir minha espinha durante a noite.


números

julho 1, 2009

11 laranjas;

6 fatias de pão de forma;

4 copos;

1 prato;

meio litro de café;

3 cigarros;

4 tacinhas de champanhe;

ninguém é de ferro.

eu não sei dançar #2

junho 29, 2009

outra pequena coisa: eu não lavo louça com sono. de jeito nenhum!

hoje eu acordei querendo dormir. essas loucuras insuportáveis da vida moderna – da “vida” “moderna” – 3 telefones tocando AO MESMO TEMPO!!! o netfone dos infernos, o telefone da OI (lembram?) e o interfone.

AO MESMO TEMPO.

e louça na pia.

e sono.

muito sono.

eu ligo a água quente e deixo aberta até tudo derreter.

mas o aquecedor não está funcionando. eu tomo uma tacinha de espumante com suco de laranja – mimosa, né? – e volto pra cama… ooops, sofá.

sobre a arte de não dormir

junho 29, 2009

sim, é uma arte.

uma espécie de insistência estúpida.

dormi duas horas de sexta pra sábado. vários motivos.

o sábado de manhã foi uma maravilha à parte.

segue.

§

9 da manhã toca o interfone. o cara da NET, pra trocar o ponto da virtua.

– dica 1: nunca marque NET sábado de manhã sem ter certeza de como será sua sexta.

o cara veio, falou e falou e falou. e trocou a virtua. e falou. e me deu o e-mail dele pra caso de… – nisso a minha cabeça estava em ouuuuuuutro lugar, outro universo, outra realidade: meudeeeeeeus por favor tira esse homem daqui!!! NET? VIRTUA? alguém faz um ato terrorista contra isso tudo???

é lindo ter internet em casa – como diriam uns amigos meus, marabitchoso – mas a NET na sua casa sábado de manhã e você dormido duas horas… NOT!!!

§

o cara foi embora. eu tomei 1 litro de café.

feira.

café pra todo mundo aqui – vó e irmão, como sempre.

e mais outras coisas.

resumo: só fui dormir na hora de sair, à noite.

§

mas a noite foi perfeita.

namô, casa de amiga, vinho e chuva no humaitá.

sometimes… compensa ser uma dona de casa de quase trinta anos.

o monstro dormindo

junho 19, 2009

o monstro dormindo

sobre o post das mentiras da tv (e depois as nossas)

junho 19, 2009

pra finalizar:
o shoptime é mentiroso.
e aí eu tive que mentir pra minha avó sobre as maçãs, porque eu não queria lavar a máquina mágica.
¬¬

pequenas mentiras que a tv conta (e depois as nossas)

junho 19, 2009

o shoptime que me desculpe, mas eu acho que todos deviam ser processados.

tá, posso ser menos radical. todos os apresentadores – principalmente do segmento de cozinha – deviam aparecer limpando os produtos que eles vendem. é, porque no máximo eles falam que é suuuuuper fácil de limpar.

MENTIRA!!!

vamos começar com o triturador de frutas, aquela máquina mágica (toda proparoxítona) que faz sucos saídos de filmes…filmes de sucos, sei lá. se é que já existiu um. ou então hollywood não é tão esperta assim.

essa máquina mágica de suco é… bem… mágica. o processo é quase simples:

1. você vai na rua, compra as frutas e as coisas que fazem bem à saúde (bertalha? espinafre, couve… essas coisas);

2. chega em casa e coloca essas coisas todas na geladeira (duas horas, porque aí os agrotóxico tudo vai pra casca e fica mais fácil de lavar por causa do frio zzzzzzzzzzzzzzzzzz);

3. duas horas depois – e uns 3 copinhos de vodka com água tônica e uns 3 ou 4 quatro cigarros – você lava essas coisas deliciosamente saudáveis com vinagre, água sanitária, reza pras química terem ido embora e aí;

4. você monta a máquina mágica e vai jogando as coisas dentro e o suco vai saindo, colorido, lindo – lembra aquela poção dos ursinhos gummy, era isso?

5. aí você bebe, leva suco pra vó, pro irmão, pra tia, pro primo, pros vizinhos, porteiro…

§

então, querida amiga, é hora: lavar a louça.

porque essa hora sempre chega. é tipo a morte. inevitável.

point is: a máquina mágica é composta de umas 7 partes. se você for safo como eu (rá!), só precisa lavar 4 partes, sendo: a parte na qual fica o suco, o filtro de metal, a roda de metal – que deve ser o triturador da coisa toda – e a parte para onde vão as cascas, caules, e outras coisas mais.

o filtro de metal: fica uma massinha colorida, bem grudada, insuportável de tirar – e eles ainda avisam que não é pra usar sabão e afins.

a roda de metal, o triturador propriamente dito, é fácil de levar.

a parte onde fica o suco.. bem, também não é lá muito difícil.

agora, o purgatório – chamo assim porque é onde fica todo o resto que não vai pro céu (sendo o céu a última instância, a parte de plástico pra onde vai toda casca triturada, sofrida, culpada…)

limpar o purgatório não é lá tarefa fácil…

gente, já me cansei só de escrever.

vou chorar um pouco na área de serviço, fumando um cigarro, tomando um martini e ouvindo nina simone.

eu não sei dançar #1

junho 19, 2009

olha,

eu não lavo louça depois da meia-noite.

acho que é uma questão de dignidade. não faço. ponto.

ainda mais depois de beber.

vontade de jogar… gasolina não porque é isso que faz meu carro (ou o que resta dele) andar. jogar álcool na pia e acender um fósforo. e sentar no chão, uma garrafa de vinho e um maço de cigarro e ver o circo ou a pia ou seja lá o inferno!!! pegar fogo.

não

lavo

louça

boa noite.

[ah! e estrelas pra mim! administrei o jantar de vovó. ligeiramente bêbado. dona de casa é assim, filho.]

melancia

junho 18, 2009

você vai à feira sábado de manhã, compra um pedaço de melancia e carrega como se fosse um filho, chega em casa e coloca o filho na geladeira.

na segunda-feira de manhã a porra da melancia está PODRE.

toda podre.

é uma espécie de morte, sim.